O Clube

O CNB e-Sports Club é um dos clubes mais tradicionais da América Latina. Com 17 anos de existência, a organização tem seu nome marcado em diversas modalidades. Atualmente, as atividades estão focadas no League of Legends, mas, ao longo da nossa existência, já tivemos investimentos no Counter-Strike, Fifa, Street Fighter, Guitar Hero e Heroes of the Storm.

Temos uma das torcidas mais apaixonadas do cenário nacional. Blumers é como chamamos nossos torcedores. Confira abaixo um pouco da nossa trajetória.

HISTÓRIA

O “Canibais” surgiu em 2001 como uma equipe de Counter-Strike (CS). Para serem identificados com mais facilidade, os membros do time usavam a tag CNB antes dos nicks e, assim, dominavam os servidores online de CS no Brasil. Com o passar do tempo, a abreviação passou a ser usada com mais frequência do que o próprio nome. “Canibais” caiu em desuso. O time virou CNB Gaming e, posteriormente, CNB e-Sports Club.

Em 2002, com apenas 11 anos de idade, Cleber “fuzi” Fonseca, hoje um dos diretores da organização, se juntou ao CNB. Como tinha uma boa base de outros jogos competitivos, como Infantry e Diablo 2, começou a ter sucesso no Counter-Strike. Ele trouxe para a equipe o grande amigo Guilherme “Panssa” Gênova, que também viraria um dos diretores do CNB.

Na época, o programa de comunicação mirC ajudou os times a se organizarem e promoverem campeonatos online. O CNB sempre estava presente nos torneios. Foi assim que a equipe começou a entrar para o cenário competitivo de esportes eletrônicos, ainda novo e inexplorado no País.

DIVERSÃO

Do final de 2003 até meados de 2007, o CNB participou de muitos campeonatos online no Counter-Strike 1.6. O time teve diferentes lines ao longo dos anos, que elevaram o nome da equipe a uma posição de reconhecimento no cenário nacional.

Fuzi, além de representar o CNB na internet, frequentava lan houses e participava de torneios presenciais por outras equipes. Como ainda era muito jovem, estava sempre acompanhado do irmão, Carlos “fury” Fonseca, hoje diretor da organização. Os dois passaram a ter os games como principal hobby, ao lado de Panssa, que atuava como manager da equipe.

Em 2007, o CNB deixou o “mundo virtual” para atuar no “mundo real”. No Counter-Strike Source, a equipe passou a disputar campeonatos offline e conquistou seu primeiro título de expressão. O CNB foi o primeiro campeão brasileiro de CS Source.

Foi em 2008 que a diversão começou a ser encarada com mais responsabilidade e a “brincadeira virou coisa séria”. Naquele ano, todos os integrantes saíram do time, com exceção de fuzi e Panssa. Eles, ao lado de fury, formado em Administração de Empresas, deram início à profissionalização do CNB.

ALTERANDO O MINDSET

O time virou organização e cresceu. O CNB passou a ter mais do que apenas uma boa equipe em um único jogo e contratou representantes nas principais modalidades competitivas da época. Além disso, a empresa começou a produzir conteúdo exclusivo de seus times para conquistar a torcida e atrair patrocinadores.

CHEGAMOS PRA FICAR

No Counter-Strike 1.6, o CNB se destacou em campeonatos nacionais e internacionais. A partir da vitória na g3x Cup de 2009, a equipe passou a ser considerada uma das mais fortes do Brasil.

A ASCENSÃO

Em 2010, venceu a edição brasileira da KODE5 e representou o País na Final Sul-americana, no Peru, onde também conquistou o título. Terminou em 5º lugar na GameGune 2010, em Bilbao, na Espanha.

O ano de 2010 foi o melhor daquele período. Em alta, a organização tinha 13 modalidades e 88 cyber-atletas, com o objetivo de difundir a marca para todas as comunidades gamers. Foram muitas conquistas: além dos títulos no CS, a equipe de DotA participou da Electronic Sports World Cup (ESWC), na França, e a organização teve resultados expressivos na World Cyber Games (WCG) Brasil. No Street Fighter, os jogadores do CNB conquistaram os três primeiros lugares. No Carom 3D, teve dobradinha na Final Nacional e no Mundial. No Guitar Hero, vice para nosso representante e passaporte carimbado para o Mundial. No GH, conquistamos ainda o vice da ESWC Global Finals de 2010.

Em 2010 e 2011, o CNB foi escolhido pelo público como a melhor organização de e-sports do Brasil.

NOVA ERA

Depois de uma reestruturação, o CNB decidiu investir no principal jogo competitivo da atualidade, o League of Legends. Em julho de 2012, a organização contratou uma equipe que, no final daquele ano, conquistaria o primeiro torneio promovido pela Riot Games, desenvolvedora do game, no Brasil. Foi o showmatch de lançamento do servidor brasileiro, em que o CNB venceu o Vince Te Ipsum.

CONSAGRAÇÃO

Em abril de 2013, o CNB deu um importante passo em sua história no League of Legends ao contratar os jogadores do Nex Impetus. Foi um marco para a organização, que, desde então, tem se mantido na elite do cenário brasileiro, sempre disputando as primeiras colocações dos principais campeonatos nacionais. Naquele ano, a equipe tornou-se vice-campeã brasileira e campeã latino-americana.

INOVAÇÃO

Em 2014, o CNB também apostou no DotA 2, contando com o melhor time sul-americano na modalidade, detentor de uma extensa lista de títulos. A equipe foi a primeira do Brasil a disputar uma vaga no The International, a mais importante competição do DotA mundial. Neste ano a lineup de League of Legends foi mais uma vez vice-campeã brasileira perdendo a grande final para a KaBuM! e-Sports.

PREPARANDO CAMPEÕES

O CNB mais uma vez foi pioneiro e, em 2015, tirou do papel o projeto Preparando Campeões. Pensado inicialmente em 2009, o projeto visa realizar uma peneira para selecionar talentos para as categorias de base do clube. Com apoio e todo suporte, eles podem dar o primeiro passo em busca do sonho de se tornarem profissionais.

.

MAIS UMA VEZ PIONEIRO

Mais um ano em que o CNB HyperX foi pioneiro e se destacou pelos projetos inovadores no cenário nacional. O maior deles, a CNB Arena, a casa dos Blumers, a casa daqueles que amam esportes eletrônicos, a sua casa. A arena tem capacidade para até 150 pessoas e está de portas abertas para eventos, torneios e desafios. O local conta com palco equipado com computadores especiais para gamers, telão para exibição de jogos de todas as modalidades dos e-Sports, lanchonete e showrooms de patrocinadores. A organização também irá lançar outros projetos voltados aos fãs de esportes eletrônicos este ano. Além disso, mais uma edição de sucesso do projeto Preparando Campeões foi executada este ano, com a seleção de 35 jogadores para formar os 7 times das categorias de base da organização.

RONALDO FENÔMENO E ANDRÉ AKKARI

Em 2017, fizemos novamente história no cenário nacional ao ganhar novos sócios: Ronaldo Fenômeno, ex-jogador de futebol e ídolo mundial, e André Akkari, um dos maiores nomes do poker brasileiro. A chegada dos dois colocou, não só o CNB, como o esporte eletrônico no Brasil em outro patamar. Assista ao vídeo abaixo para ver como foi o dia da apresentação da dupla aqui na CNB Arena: